Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos da categoria “Arte

Só Pode Ter Sido Pintado Por Um Louco

Publicado em 08/03/2021

Foi determinado através de infravermelhos que “Kan kun være malet af en gal Mand!” foi escrito pelo próprio Edvard Munch no quadro conhecido como “O Grito” de 1893. O nome atribuído pelo autor em alemão é “Der Schrei der Natur” (O Grito da Natureza). Na sua entrada do diário de 22 de Janeiro de 1892 em Nice, escreve:

Num fim de tarde eu ia por um caminho, a cidade estava de um lado e o fiorde abaixo. Senti-me cansado e doente. Parei e olhei para o fiorde — o Sol punha-se e as nuvens ficaram vermelho sangue. Senti um grito a percorrer a natureza; pareceu-me ter ouvido o grito. Pintei esta imagem, pintei as nuvens como verdadeiro sangue. A cor gritou. E isto tornou-se “O Grito”.

Scientific American.

Norman Rockwell (1894-1978)

Publicado em 14/02/2021

Foi um artista prolífico, assinando mais de 4.000 originais, além de ilustrar mais de 40 livros, incluindo Tom Sawyer e Huckleberry Finn, obras hoje proibidas em muitas escolas devido ao totalitarismo cultural que a esquerda quer impôr por onde passa. Rockwell sempre desejou ser um artista, encontrando sucesso desde cedo na revista dos escuteiros e nas capas do The Saturday Evening Post, colaboração que se prolongou por quase 50 anos. O reconhecimento veio muito mais tarde, pois os “verdadeiros artistas” consideravam a sua obra burguesa (a esses nunca faltou hipocrisia) e kitch, retratando uma América idílica e sentimental. Se fosse hoje ainda acrescentariam à lista de vícios, “branca”, “heterossexual” e “religiosa”.

O NPR publicou um artigo fascinante revelando as fotografias por detrás de algumas das famosas pinturas, a propósito de um novo livro, Norman Rockwell: Behind the Camera (Amazon.co.uk), dado à estampa pela Little Brown.

Norman Rockwell

“Freedom of Worship”, óleo sobre tela, 1943.

Norman Rockwell Norman Rockwell

Cabrita Reis

Publicado em 26/01/2021

Leça da Palmeira

Escultura de Cabrita Reis (em primeiro plano), já na planeada metamorfose para a sua cor final. Infelizmente a obra terá sido vandalizada duas vezes o que obrigou à sua pintura outras tantas, impedindo a respectiva maturação como objecto artístico revelador das grandes preocupações sociais do artista. (Público)

Cabrita Reis

Pormenor construtivo que denota a técnica e apurada atenção ao detalhe do escultor (ou artista plástico e pintor).

A autarquia de Matosinhos, confirmando o refinado gosto que toda a população do concelho lhe reconhece, brindou Leça da Palmeira e porque não dizê-lo? Portugal e o Mundo, com uma magnífica escultura de Cabrita Reis, realizada por artesãos portugueses (vulgo serralheiros) em ferro HA400.
“A Linha do Mar” é composta por cinco grupos de vigas, sendo exclusivamente construída com recurso a este material, o conjunto escultórico enquadra a paisagem num esquema de linhas verticais de dimensões variáveis dispostas sobre uma base horizontal ao longo de 40 metros da marginal, mas como pacientemente explica Luísa Salgueiro, “(…) o investimento na cultura está longe de ser consensual e é perfeitamente respeitável que as pessoas tenham a opinião de que esta não seja uma responsabilidade do Estado, privando o seu acesso à classe média e baixa.” (JN). Não fossem as vontades e os saberes da autarca, esta infinita generosidade, estaríamos certamente condenados a chafurdar na ignorância, como uma autêntica vara de porcos numa pocilga.