Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos da categoria “Coisas

Pro-ject VC-S2 Alu

Publicado em 10/01/2021

Pro-ject VC-S2 Alu

Seasonal Shift dos Calexico a entrar para a máquina Pro-ject VC-S2 Alu.

Não há nada que me dê gosto ter nesta máquina de limpar vinil. Em bom rigor, não é coisa para se ter à vista se existir o mínimo gosto estético. Como design é um caixote enorme, sem qualquer explicação para o seu tamanho que não seja um depósito que é tão grande que dispensa ser esvaziado, a menos que se limpem centenas e centenas de discos seguidos. Não é de alumínio, mas sim folheada a alumínio (daí o nome), as peças de metal de má qualidade e as de plástico como a escova, nem se fala. Moldes fracos, plástico fraco. Os interruptores, nem se entendem de tão grandes, abrutalhados e má qualidade. Custa cerca de 500,00€ o que notoriamente não vale, mas é um fenómeno transversal em praticamente tudo o que é Hi-Fi. Querendo uma de maior qualidade como a Clearaudio Smart Matrix Silent, paga-se três vezes mais, o que, como facilmente se adivinha, também não vale. E já que mencionei a palavra “silent”, silenciosa é que esta máquina não é. A função de aspiração faz lembrar o antigo aspirador Hoover “bate escova aspira”, é incompreensível. Um Dyson é que não é. A máquina é tão fraca que não se vê o logotipo Pro-ject em lado nenhum, uma má coincidência, certamente. A única indicação que não é um aparelho de marca branca vindo directamente da China, é uma etiqueta por baixo — sem desprimor, porque há na China material muito melhor que este, a todos os níveis. E mesmo assim, a versão menor, a VC-E, ganhou um prémio EISA 2020-2021. Se calhar o defeito é meu, o melhor é cada um ver por si.
Dito isto, esta máquina tem um predicado inegável: funciona surpreendentemente bem. Ainda só utilizei o líquido Pro-ject Wash It e os discos ficam bem limpos, sem pó, sem bolor, sem marcas, tocam melhor e mais silenciosamente. Consequentemente, uma má prensagem, toca pior como se os pops e plops ficassem com mais fidelidade. O efeito anti-estático da lavagem é duradouro, tenho discos lavados há mais de três meses que não apresentam qualquer sinal de estática. Agora todos os discos novos passam pela máquina antes de tocar a primeira vez e os antigos, vou lavando. Há apenas um defeito que é um resíduo branco que fica depositado na agulha na primeira passagem. Tudo somado, apesar de não ser um objecto que me encante, tem funcionado, cumpre a função, suponho que seja suficiente.

Hana MH

Publicado em 27/11/2020

Hana MH

Outra célula extraordinária. Acabei por optar por esta, que é virtualmente idêntica à Hana ML. São as duas moving coil, mas a ML é de baixo ganho (L=Low) e a MH de alto ganho (H=High). A primeira não resultou para mim porque a amplificação cinco vezes maior (0,4mV base e 2mV base, respectivamente) exigida ao pré-amplificador phono, além de proporcionar um nível de detalhe que dizem ser de outro mundo, levanta toda a casta de ruído que no caso, acabou nos meus ouvidos.
Eu ouvi as duas, no meu ambiente (graças à simpatia habitual da Ultimate Audio), não são células modestas e muito menos tímidas, fazem as colunas tocar a sério. O silêncio da Hana MH é absoluto e isso para mim conta. Também demonstrou graves mais adequados à minha sala, em músicas muito específicas que escolhi para testar esse efeito — para mim é uma qualidade, mas poderá ser um defeito noutra combinação, no sentido que de facto a Hana ML consegue minar mais som do mesmo disco. Não sei. Ambas são mais um salto inacreditável na qualidade sonora que vou construindo (aqui relativamente à Hana EH), não sei quantas vezes mais irei ouvir os mesmos discos pela primeira vez, é assombroso. Toda a gente que escreve sobre estes assuntos considera habitualmente as células de baixo ganho como mais musicais, mais transparentes, mais detalhadas, numa palavra — melhores —, e sobre este par, mantêm o mesmo registo. E eu digo: Talvez.

DS Audio DS002

Publicado em 16/11/2020

DS Audio DS002

Mais uma oportunidade na Ultimate Audio para comprovar que estes conjuntos de célula e equalizador da DS Audio estão num campeonato próprio. Desta vez foi a DS002, subindo um nível relativamente à DS-E1. O detalhe e clareza é de outro mundo, mas achei os agudos um nadinha proeminentes (talvez culpe as colunas por isso).
De meados dos anos 80 e pela década de 90 adentro, nunca fui grande ouvinte de Prefab Sprout — nem de Pop e a New Wave tinha ficado para trás, sobrevivendo até hoje B-52’s e pouco mais. Bauhaus, Christian Death, Death In June, Alien Sex Fiend (era um revoltado) e depois My Bloody Valentine e toda a casta de shoegazers era mais o meu som. É raro o disco dessa época que na minha opinião passa o teste da transparência e detalhe, da boa gravação e bom som. Prefab Sprout, mesmo não querendo, era obrigado a ouvir, aquilo tocava em toda a parte. Conclusão, via DS002, ouvi realmente Prefab Sprout pela primeira vez e, surpresa, toca optimamente. E cada vez menos surpreendente, as prensagens antigas superam frequentemente as de hoje o que não deixa de ser desanimador para o comprador habitual de vinil.