Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos da categoria “Livros

Perturbação de Personalidade Limítrofe

Publicado em 17/09/2021

Passamos por muitos diagnósticos, muitas doenças designadas por muitos nomes, até o menos programático dos médicos dela se decidir por um que parecia aplicar-se. O nome da doença que parecia aplicar-se era este: “perturbação de personalidade limítrofe”. “Os pacientes com este diagnóstico são uma combinação complexa de forças e fraquezas que desconcertam quem diagnostica e frustram o psicoterapeuta.” Assim se lê numa recensão de “Borderline Personality Disorder: A Clinical Guide”, de John G. Gunderson, publicada na New England Journal of Medicine. “Esses pacientes podem parecer sedutores, compostos e psicologicamente intactos num dia e cair num desespero suicida no outro.” Diz ainda a recensão: “Impulsividade, instabilidade afectiva, esforços frenéticos para evitar o abandono e difusão da identidade, tudo isto é característico.”

—Joan Didion, Noites Azuis, Cultura Editora, 2021 (2006)

Não Ocupa

Publicado em 17/09/2021

Enquanto escrevo isto, percebo que não quero terminar este relato.
Nem quero terminar o ano.
A loucura vai recuando, mas a clareza não ocupa o seu lugar.
Procuro uma resolução e não encontro nenhuma.

—Joan Didion, O Ano do Pensamento Mágico, Cultura Editora, 2021 (2006)

Talvez

Publicado em 15/09/2021

Porque é que tens de ter sempre razão? Dissera o John. É impossível considerares a possibilidade de que talvez estejas errada?

—Joan Didion, O Ano do Pensamento Mágico, Cultura Editora, 2021 (2006)

Tom

Publicado em 06/09/2021

Quando lhe disse o que acontecera, ele não percebeu. Claramente, eu não era a contadora ideal daquela história, algo na minha versão era, simultaneamente, demasiado brusco e demasiado elíptico, alguma coisa no meu tom fora incapaz de comunicar o facto principal daquela situação (…).

—Joan Didion, O Ano do Pensamento Mágico, Cultura Editora, 2021 (2006)

The Only

Publicado em 04/09/2021

“I think he was the only man in that whole horny town who knew what sex was worth”, Lois said, her voice a little hoarse. “I probably never would have learned myself if it hadn’t been for Sam (…)”.

—Larry McMurtry, The Last Picture Show, Liveright, 2018 (1966)

Always the Right

Publicado em 30/08/2021

“It don’t do to think about things like that too much. If she was here now I’d probably be crazy agin in about five minutes. Ain’t that ridiculous?”
A half-hour later, when they had gathered up the gear and were on the way to town, he answered his own question.
“It ain’t really,” he said “Being crazy about a woman like her’s always the right thing to do. Being a decrepit old bag of bones is what’s ridiculous.”

—Larry McMurtry, The Last Picture Show, Liveright, 2018 (1966)