Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos da categoria “Livros

Não é pior

Publicado em 13/01/2021

Todos os seres humanos tentam criar um mundo em que possam viver, e o que não podem usar muitas vezes não vêem. Mas o mundo real já está criado, e se a invenção não lhe corresponde, mesmo que nos sintamos nobres e insistamos no facto de ter de haver algo melhor do que aquilo a que as pessoas chamam realidade, essa coisa melhor não necessita de tentar exceder aquilo que, no mundo real, pode ser muito surpreendente, já que o conhecemos tão mal. Se é um feliz estado de coisas, é surpreendente; se triste ou trágico, não é pior do que aquele que nós inventamos.

—Saul Below, As Aventuras de Augie March, Quetzal 2010

Não soube

Publicado em 09/01/2021

Não tinha importância. Deixei passar muita coisa. Naqueles dias, o que quer que me tocasse, satisfazia-me inteiramente, e o que não me tocava era como se estivesse morto, o meu coração não ligava. Nunca tinha ficado tão absorvido por um só ser humano. Seguia a consciência dela aonde quer que ela fosse. Como ainda não era suficientemente velho para estar cansado de estar confinado à minha própria consciência, não soube dar o devido valor a isto.
Do que eu às vezes me apercebia era de como estava a abandonar algumas protecções muito velhas, que agora se tinham esvaziado.

—Saul Below, As Aventuras de Augie March, Quetzal 2010

Zuihitsu

Publicado em 05/01/2021

Zuihitsu (随筆) é um género de literatura japonesa. Segundo a Wikipedia, o nome deriva de duas palavras: “caneta” e “à vontade”. Os autores escrevem o que lhes vem à cabeça e seguem uma linha de pensamento aleatória. É mais pessoal que performativo e fornece ao leitor um olhar íntimo do funcionamento interno da mente do escritor. Os temas são tipicamente preenchidos com ideias fragmentadas do universo que rodeia o autor.

Animal Pensante

Publicado em 27/12/2020

Foi uma noite dura — a chuva a bater com força de um lado e depois do outro, como alguém a pôr pregos numa caixa ou numa gaiola, e eu cheio de sentimentos enormes, tristes, desconsolados, de um animal pensante, o coração a agir como um orbe demasiado repleto para o meu peito, não de repulsa, que confesso não ter sentido, mas de uma desolação profunda e generalizada.

—Saul Below, As Aventuras de Augie March, Quetzal 2010