Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos etiquetados “david e. kelley

TV em Dezembro

Publicado em 31/12/2020

The Undoing (2020)

É uma mini-série de apenas seis episódios realizados por Susanne Bier. As séries (e o cinema), com a tecnologia à disposição têm-se cada vez mais distanciado visualmente da realidade, fenómeno que aprecio. Há um tom, uma profundidade de campo, um modo de filmar e enquadrar próprios, uma assinatura de cada série que não existe e como tal não podemos ver no nosso dia a dia (lembro-me por exemplo de Mad Men). Não sei se quando a fotografia e posteriormente o cinema surgiram, a intenção seria captar a realidade o mais fielmente que fosse possível, julgo que essa fase existiu, mas artisticamente foi rapidamente ultrapassada.
Não procuro, mas surge-me naturalmente, no final do terceiro episódio para mim tudo se tornou evidente — mas mesmo assim, foi interessante porque aqui as opiniões surgiram espontaneamente até ao fim (principalmente da minha filha). Depois há outra questão, parece lateral, mas não é. Eu não me consigo abstrair da cara esticada da Nicole Kidman, daquela boca arruinada e inexpressiva. Uma mulher cheia de plásticas até pode estar perfeitamente enquadrada no argumento e no meio dos super-ricos de Nova Iorque, mas pura e simplesmente não gosto, apesar de ser uma óptima actriz. Já Hugh Grant que nunca apreciei particularmente, gostei de ver. Donald Sutherland, saqueia literalmente todas as cenas em que participa, um actor extraordinário que espero ainda voltar a rever muitas vezes. Criado por David E. Kelley.
☆ ☆ ☆ ½

The Queen’s Gambit (2020)

Quem diria que o xadrez podia ser tão empolgante? Fiquei algo desiludido por ser inteiramente ficção, a certa altura desejamos que Beth Harmon tenha realmente existido. Criado por Scott Frank e Allan Scott.
☆ ☆ ☆ ☆

Gangs of London (primeira temporada, 2020)

Nas produções britânicas, fica sempre a sensação que a a realidade ultrapassa em muito a ficção, o que neste caso é inimaginável. Esta série tem cenas de violência inaudita, não é coisa que aconselhe alguém a ver. Criado por Gareth Evans e Matt Flannery.
☆ ☆ ☆ ☆

Virgin River (primeira temporada, 2019)

A clássica história do “expatriado” da grande cidade que por um motivo ou por outro, vai parar a uma pequena comunidade no meio do nada. Nunca gostei de flashbacks e esta série enferma deles, sendo os do Iraque particularmente sem sentido, servindo somente para os americanos alimentarem o mito do veterano vagamente traumatizado, que serviu o país naquilo que hoje se pode chamar “a guerra que nunca acaba” (desde o Vietname que assim é, para não dizer da Coreia, ou porque não, da Segunda Guerra Mundial). Criado por Sue Tenney.
☆ ☆ ☆

A Charlie Brown Christmas (1965)

Soube há pouco que o disco da banda sonora do Vince Guaraldi Trio é o segundo disco de Jazz mais vendido de sempre (sendo o primeiro o “A Kind of Blue” de Miles Davis). Criado por Charles M. Schulz, realizado por Bill Melendez.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

Virgin River

Virgin River.

Virgin River (segunda temporada, 2020)

É uma novela, mas vê-se bem e a paisagem é magnífica. Criado por Sue Tenney.
☆ ☆ ☆ ½

The Mandalorian (segunda temporada, 2020)

Dá para ver com os filhos e para Star Wars, não é mau. Mas depois de revelada a verdadeira natureza deste universo, não há como voltar atrás, nem o tempo, nem eu. Como história e narração é tudo bastante fraco. Criado por Jon Favreau.
☆ ☆ ☆

Godless (2017)

Li na What Hi-fi? para pensar em Deadwood quality… Na minha opinião, sendo Deadwood uma das três melhores séries de todos os tempos, era uma expectativa impossível de preencher. Esta série não tem nem de longe, nem de perto a qualidade de Deadwood e muito menos aquelas personagens visceralmente carismáticas. O casal lésbico para a quota lgbt (de hoje, não do velho Oeste) e os detestados flashbacks não ajudam muito. Mesmo assim, uma boa mini-série, parece um filme de sete ou oito horas. O realizador é Scott Frank, um dos criadores de The Queen’s Gambit.
☆ ☆ ☆ ☆

TV em Maio

Publicado em 31/05/2020

Shtisel, (segunda temporada, 2015)

Criado por Ori Elon e Yehonatan Indursky. Esta série é comovente de simplicidade. É uma pena um conflito qualquer ter impedido a terceira época.
☆ ☆ ☆ ☆ ☆

Watchmen, (primeira temporada, 2019)

Criado por Damon Lindelof. Meh.
☆ ☆ ☆

Homecoming, (primeira temporada, 2018)

Criado por Micah Bloomberg, Eli Horowitze e Sam Esmail. Tem alguns méritos, mas não chegam. Nem imagino o que terá levado a uma segunda época.
☆ ☆ ☆

Unorthodox (2020)

Criado por Anna Winger. Mais uma visão da vida dos judeus ortodoxos, desta vez de Nova Iorque. A actriz principal Shira Haas participa também na série Shtisel.
☆ ☆ ☆ ½

Big Little Lies, (segunda temporada, 2019)

Criado por David E. Kelley. Apesar de existir um enredo aparentemente principal, o melhor desta série é o intricado dos relacionamentos. Também tem a Meryl Streep num papel perturbador. E além do final, demasiado americano, é pena a Nicole Kidman, completamente estragada e sem expressões. Não entendo estas plásticas desastrosas, é como se não tivessem espelhos em casa.
☆ ☆ ☆ ☆