Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos etiquetados “mia hansen-løve

Não é Coincidência

Publicado em 15/03/2022

I’ve been referencing romantic comedies like George Cukor, but I try to come up with new material when I talk to proper film fans so I’ve thought about this. In terms of coming of age, Eden by Mia Hansen-Løve I think was an inspiration to me in terms of how to condense time. It’s really sophisticated and has a very impressive structure of telling a part of someone’s life. I told Mia, whom I admire, that she’s condensed time so it’s not just one line, one experience, or one seating through an event, but big chunks of transition—and that’s drama when you’re making nonplot movies.

—Joachim Trier, A Stick, a Stone, the End of the Road: Joachim Trier Discusses “The Worst Person in the World”, Mubi

Joachim Trier tornou-se num dos meus realizadores preferidos e não é coincidência esta referência a Mia Hansen-Løve, que faz parte desse grupo extremamente restrito de cineastas de quem me apetece ver um filme, só por ser deles (aliás, neste momento, só me lembro de mais um, Hirokazu Kore-eda).

Cinema em Novembro

Publicado em 30/11/2021

Bergman Island (2021) (72)

Para não variar desta realizadora, gostei muito. Em português “A Ilha de Bergman”. Realizado por Mia Hansen-Løve.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

Elles (2021) (73)

Em português “Elas”. Realizado por Malgorzata Szumowska.
☆ ☆ ☆ ½

Identificazione di Una Donna (1982) (74)

Em português “Identificação de Uma Mulher”. Realizado por Michelangelo Antonioni.
☆ ☆ ☆ ☆

Boze Cialo (2019) (75)

Em português “Corpus Christi – A Redenção”. Realizado por Jan Komasa.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

La Captive (2000) (76)

Em português “A Captiva”. Realizado por Chantal Akerman.
☆ ☆

France (2021) (77)

Realizado por Bruno Dumont.
☆ ☆ ☆ ½

Chung Hing sam lam (1994) (78)

Em inglês “Chungking Express”. Realizado por Wong Kar-Wai.
☆ ☆ ☆ ½

Ah Fei jing juen (1990) (79)

Em português “Dias Selvagens”. Realizado por Wong Kar-Wai.
☆ ☆ ☆ ☆

Do Something Else

Publicado em 02/11/2021

Bergman Island

— You know how hard writing is for me, it’s torture, it’s self-inflicted agony, it’s blood from a stone.

Bergman Island

— Well then… do something else.

Bergman Island

— Yeah, like what? Full-time housewife?

Bergman Island

— Well, it’s an honorable profession.

Bergman Island (2021) de Mia Hansen-Løve.

Cinema em Setembro

Publicado em 30/09/2020

Dogman (2018) (48)

Realizado por Matteo Garrone.
☆ ☆ ☆ ½

The Goldfinch (2019) (49)

Realizado por John Crowley.
☆ ☆ ☆ ½

Amarcord (1973) (50)

Realizado por Federico Fellini.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

Greyhound (2020) (51)

O primeiro filme que vi na Apple TV+… que fraco. Leva duas estrelas por caridade. Assim a Apple como produtora de originais não faz qualquer falta. Realizado por Aaron Schneider.
☆ ☆

Maya (2018) (52)

Não tem um filme mau a Mia Hansen-Løve.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

Beoning (2018) (53)

Os coreanos também conseguem não ter um filme mau… pelo menos dos que chegam até mim. Em português “Em Chamas”. Realizado por Chang-dong Lee.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

Taxi (2015) (54)

Fico sempre admirado com a qualidade do cinema iraniano e como com uma escassez de meios tão grande se fazem filmes tão bons. Basta talento, uma boa ideia e principalmente ter que dizer. Realizado por Jafar Panahi.
☆ ☆ ☆ ☆

The Social Dilemma (2020) (55)

Documentário sobre a vida sempre em linha. A amoralidade dos algoritmos que moldam agora a vida de milhões de pessoas e mais uma vez, a vigilância permanente — hoje é para vender coisas, amanhã está bom de ver para o que será. Estou ciente de praticamente tudo que aqui se diz há muito tempo. Fiquei satisfeito com o interesse dos filhos, mas tenho reparado que para a juventude, a etiqueta Netflix está para os documentário, como as embalagens McDonalds estão para as cenouras. Realizado por Jeff Orlowski.
☆ ☆ ☆ ☆

Gimme Danger (2016) (56)

Revi este documentário sobre os Stooges sem saber, porque só mesmo quase no fim me lembrei que já o tinha visto. “Muito obrigado à pessoa que me atirou esta garrafa de vidro à cabeça. Quase me mataste mas voltaste a falhar, volta a tentar para a semana.” Realizado por Jim Jarmusch.
☆ ☆ ☆ ☆

Yek khanévadéh-e mohtaram (2012) (57)

Em português “Uma Família Respeitável”. Realizado por Massoud Bakhshi.
☆ ☆ ☆ ☆

Asphalte (2015) (58)

Que filme fraco e sem qualquer piada (para comédia, é bizarro), leva duas estrelas por caridade. Em português “Histórias de Bairro”. Realizado por Samuel Benchetrit.
☆ ☆

Jagten (2012) (59)

Um filme extremamente duro. Em Português “A Caça”. Realizado por Thomas Vinterberg.
☆ ☆ ☆ ☆ ½

Da-reun na-ra-e-seo (2012) (60)

Elogiei o cinema coreano e não demorou a aparecer este, que não é nada de especial… Mas é com Isabelle Huppert, nunca se sabe o que sai dos filmes dela, o melhor e o pior, certamente. Em Português “Noutro País”. Realizado por Sang-soo Hong.
☆ ☆ ☆

Geu-hu (2017) (61)

Em português “O Dia Seguinte”. Realizado por Sang-soo Hong.
☆ ☆ ☆ ☆