Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos etiquetados “saverio costanzo

TV em Agosto

Publicado em 31/08/2020

The Mandalorian (primeira temporada, 2019)

A Disney tem o inegável mérito de ter mostrado à saciedade e à sociedade, a completa falta de interesse que tem todo este universo Star Wars, incluindo os seis primeiros filmes. Tiveram a sua época e já acabou há muito. Mas a força da nostalgia é poderosa. Criado por Jon Favreau.
3 estrelas e meia

L'Amica Geniale

Lenú e Lila a ler “Mulherzinhas” de Louisa May Alcott.

L’Amica Geniale (primeira temporada, 2019)

Estou a gostar bastante desta série e cada vez mais conforme vai avançando. Alguns personagens não são exactamente o que imaginei ao ler os livros, como por exemplo o pai da Lenú, mas o ambiente, diria que sim. A minha experiência ao ler qualquer livro primeiro é que a versão cinematográfica ou de TV é sempre pior, aqui nem digo isso (muito pelo contrário), mas queixo-me de na verdade já saber a história, designadamente as nuances daquelas personalidade todas que a tornam única. Principalmente de Lila, a amiga genial. Em português “A Amiga Genial”. Criado por Saverio Costanzo.
Quatro estrelas e meia

Cinema em Maio

Publicado em 31/05/2020

August: Osage County (2013) (34)

Realizado por John Wells. Em português “Um Quente Agosto”.
4 estrelas

L’Amore Molesto (1995) (35)

Realizado por Mario Martone. Em português “Vítima e Carrasco”.
3 estrelas

Barefoot (2014) (36)

Realizado por Andrew Fleming. Este filme é um remake de um filme alemão (Barfuss de 2005) baseado no mesmo argumento de Stephen Zotnowski. Em português “Amo-te Como És”.
4 estrelas

The Score (2001) (37)

Realizado por Frank Oz. Em português “Sem saída”.
3 estrelas

Hungry Hearts (2014) (38)

Realizado por Saverio Costanzo. Em português “Corações Inquietos”.
2 estrelas

Largo Winch II (2011) (39)

Realizado por Jérôme Salle. Em português “Largo Winch 2 – Conspiração na Birmânia”.
3 estrelas

Contagion (2011) (40)

Realizado por Steven Soderbergh. Tendo em conta o que se passa hoje, este filme é incrivelmente presciente e uma demonstração cabal do bom trabalho que a indústria do medo realizou. Nem Hollywood imaginou tanto e exceptuando duas ou três nuances para o espectáculo, o resto está muito de acordo com a realidade. Em português “Contágio”.
4 estrelas