A festa ia ser uma e acabou por ser outra. De afinações finais no gira-discos e pré-amplificador de phono de um amigo, acabou por ser teste de cabos. E sou um céptico dos cabos e da quantidade absurda de dinheiro que alguns custam.
Os pré-existentes eram uns Kimber 8TC com 20 anos. Substituídos pelos Tellurium Q Black II de metade do preço, a diferença tem contornos de escândalo. Só ouvido, mas é como se fosse outra aparelhagem.

Tellurium Q

Tellurium Q Ultra Black II.

Ligados os Tellurium Q Ultra Black II a custar o dobro dos Kimber (ou seja o quádruplo dos Black II) e o som deu outro salto inacreditável. Mais presença, mais palco, mais definição, mais recorte, mais extensão de agudos e menos sibilância, mais controlo de graves. É outra aparelhagem e relativamente aos Kimber, nem vale a pena dizer nada porque seria desgraçar uma marca prestigiada e há a desculpa de serem cabos com 20 anos — não por essa razão, mas porque os 8TC de hoje serão diferentes. Moral da história: no áudio, só ouvindo se podem tomar boas decisões relativamente ao equipamento e acessórios. Há muito de subjectivo, cada um ouve com os seus ouvidos, mas o que se passou com os Tellurium Q, não tem nada de subjectivo.
Vou testar os Tellurium Q Black II em substituição de uns Kimber Monocle XL, talvez dez vezes mais caros. Espero não ter mais uma desilusão para a vida inteira. PS: Não tive, o som dos Kimber nem se pode comparar, aplica-se tudo o que disse acima para os Tellurium Q Ultra Black II.

Dr. Feickert Volare

Dr. Feickert Volare.