Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos etiquetados “vinil

Discos Pelo Chão

Publicado em 19/03/2021

Nicolas Jaar, Cenizas, calhou-me fraca prensagem, mas gostei do disco, podia ter gostado mais não fosse o ruído permanente (no fim após lavar duas vezes os discos, acabei a devolvê-los).
Nils Frahm, Only Melodie, nem há palavras para descrever este disco de tão espectacular que é. Uma obra magistral que faz sair deste Mundo.
Memoirs of a Geisha é uma banda sonora original inacreditavelmente boa. John Williams, Yo-Yo Ma ou Itzhak Perlman, nem é preciso dizer muito mais. A gravação, a profundidade, o palco, é inacreditável, é um daqueles discos que nos puxa para a música e não nos deixa sair. Tudo isto deixado ficar mal por mais uma prensagem bastante fraca da Music On Vinyl, uma marca que definitivamente não gosto, tantos são os fracassos. Não tem qualquer consistência, a qualidade destes discos parece francamente aleatória e têm a mania de numerar tudo, para fazer de conta que temos um “objecto único”. Nunca vi o filme, mas fiquei com vontade de o ver.
De Dirk Maassen, Echoes, muito bom disco clássico contemporâneo, o tipo de piano que eu gosto, por vezes com violino de Esther Abrami. A edição da Sony Classics não podia ser melhor, da capa à fotografia, passando pelo design e os próprios discos, cor púrpura muito escura e não menos importante, com óptimo som.
Mais uma vez Jason Molina, Pyramid Electric Co., super-triste. Atrás está Eight Gates, que é já um disco póstumo pois Molina morreu em 2013 com apenas 39 anos, com severos problemas devido ao alcoolismo. Foi um artista prolífico, curiosamente com a mesma ética de trabalho que Nick Cave, ou seja, as canções não surgiam da inspiração quando calha, mas sim do trabalho regular e persistente.
Por fim, de Kruder & Dorfmeister, The K&D Sessions, foi como abrir uma caixa de chocolates ao percorrer os cinco 12″, tantas as surpresas. Mesmo muito bom e o som incrível, uma grande edição. Inclui downloads de “alta-resolução” que não ouvi (Actualização: Afinal a “alta resolução é no máximo ALAC e FLAC, ou seja qualidade CD na melhor das hipóteses, continuo a ter razão.), mas o vinil está o melhor que é possível.

O Milagre

Publicado em 12/03/2021

H osana nas alturas, o Spotify anuncia “qualidade de CD” para o seu serviço! Tendo em conta que esse formato nasceu há 41 anos, trata-se de um verdadeiro milagre, devidamente assinalado pelas revistas Hi-Fi de “referência”. E tem tempo, visitando o site em português ainda não há nada.

É verdade que serviços com o Tidal, já oferecem isso e melhor (nesse caso a custar 13,99€ por mês), mas tenho sérias dúvidas que seja caso para despachar ou encostar uma colecção de CDs. No site clicando em “Sound Quality”, temos em vez disso, marketing puro e simples. Descendo bastante, ficamos a saber que a qualidade Hi-Fi é 16bits/44,1KHz, a do tal CD. A qualidade “Master” é MQA 24bits/96KHz (aparentemente com um máximo de 24bits/192kHz) — e é isto, na prática, a tão falada alta-resolução. MQA é uma discussão em si própria, para outras instâncias. No total têm 70 milhões de músicas e para sabermos quantas em Master, temos de consultar as perguntas mais frequentes.

A Realidade

How much music is available in Master quality?
We have millions of tracks across all genres, both from TIDAL’s artist owners and the music labels. We continue to add more Masters content weekly.

Tradução de conversa vazia para português: não muita.

Por um lado, quanta música se ouve num dia? E numa vida? Por outro lado, parece-me evidente que a esmagadora maioria da música que cada um quer ouvir não está nesses formatos chamados “alta resolução”. Fui à lista New Arrivals e interessaram-me dois, Ólafur Arnalds e Taylor Swift (eu sei, é estranho). Não conheço a maior parte e se calhar até gosto, soa bem e tudo mais, mas teria de me adaptar — o que já faço em parte no vinil, mas por uma razão que ficará para desenvolvimento posterior e que é a extraordinária qualidade de algumas edições.

Um DAC de referência e estou a utilizar esta palavra como sinónimo de extrema qualidade e preço (sempre muito para cima de 20.000,00€, o dobro e mais) anuncia uma qualidade máxima de 32bit/768KHz. Para tocar o quê? Ficheiros de demonstração e muito pouco mais. Num site como o HD Tracks conseguem-se alguns álbuns de 24bits/352,8KHz por $44,00USD ou DSD256 ainda mais caros. Esta malta da música é como o George Lucas, se podem vender a mesma coisa uma dúzia de vezes, não a vão vender só uma. Portanto, primeiro foram despachados muitos vinis porque vinha aí o milagre do CD que o Spotify ainda anda por aí a anunciar; depois foram despachados muitos CDs substituídos no máximo por “qualidade iTunes” (AAC 320Kb, sou um optimista). Quem quiser qualidade marginalmente melhor que o CD, paga outra vez. Quem quiser qualidade realmente melhor que o CD, paga muito mais. E em qualidade DSD256 ainda paga mais um bocadinho. Mas a realidade é que a música digital de “alta resolução” se fosse imagem seria o equivalente a 1080p e o paralelismo nem é mau — não ando propriamente a ver muitos filmes nos gloriosos 4K (zero) — o melhor é comprar já uma televisão de 8K. A verdade é que o CD, que neste caso seria uma pobre imagem 720p, num leitor actual consegue debitar uma qualidade a todos os títulos surpreendente. Só um crente em milagres é que paga para os substituir por mais do mesmo, ou menos.

A Minha Realidade

Quanto mais tempo passa, menos tempo tenho. Esta evidência evade a esmagadora maioria das pessoas e o que quero dizer é o seguinte: Para que são 70 milhões de músicas, se nem as 70.000 (para facilidade de linguagem) que já tenho neste momento irei ouvir até ao fim da vida?

A colecção tem 1.100-1.200 CDs e o espaço correspondente. Desses, pelo menos 50% já não me interessam para nada, cumpriram uma função há anos. Quando compro um, tento retirar outro, que habitualmente dou a alguém. Não quero ocupar mais espaço com CDs.

Na minha opinião, em qualidade absoluta primeiro vem o DSD (o formato do SACD), depois o vinil e depois o CD. Mas o que mais gosto é do vinil. Gosto do ritual, gosto do som e gosto de parar para ouvir música e é assim que ouço, parado. E há virtualmente tudo em vinil, o que não há complemento quase sempre em CD. Consigo felizmente comprar praticamente tudo o que quero, o que corresponde de certa forma ao que consigo ouvir realisticamente. O streaming não me cabe na cabeça. O grande argumento é “milhões de músicas!”, para um pobre homem só com dois ouvidos e apenas 24 horas por dia. E o outro é a “conveniência!”. Só se for a conveniência de “tocar” música ambiente nos elevadores e nos centros comerciais. A conveniência de ouvir música a metro ou como ruído de fundo. Uma terceira tentativa pode ser “a qualidade extraordinária!”. Duvido muito, talvez nos poucos ficheiros DSD que justifiquem a existência dos tais DACs extremamente caros que acabam por funcionar como leitores de CD glorificados. Dou facilmente 50,00€ por um vinil, nunca daria isso pelo mesmo álbum em DSD256 ou, pior ainda, por quatro meses de Tidal.

Vitsoe 606

Parte da colecção de CDs.

Eu sei que teoricamente o vinil não chega ao CD e na minha opinião é literalmente na teoria — no papel. Na prática, suplanta-o de longe e é o que me soa melhor. A minha tese é que ainda ninguém faz a mínima ideia de como se ouve e pior, como cada um ouve e o que cada um realmente ouve. Eu acho que maior gama dinâmica do CD chega a uma série de frequências que em conjunto são incomodativas para o ouvido médio. O vinil não chega lá e é isso que cria descrições como “orgânico” ou “som quente”, em suma “mais humano”, ou pelo menos mais adaptado ao humano, porque como é sabido o que nos chega aos ouvidos é sempre analógico — daí a existência do DAC. Como se não bastasse, os vinis estão cada vez melhor (nem todos!) e o CD atravessou uma fase — a loudness war (Wikipedia) — que em parte ainda dura, que os tornou cada vez mais intragáveis. A tal gama dinâmica superior, serviu de muito.
Vou dar alguma razão à conveniência. O vinil ocupa imenso espaço. Afinal não vou. Imaginem que depois desta estopada Covid-19 vem o apocalipse zombie — e como sabem, já faltou mais. Eu o antigo, vou continuar a ouvir música. Tu o moderno do streaming vais ter de aprender a tocar ukulele.

A Excepção

Não há boa regra, especialmente em Portugal, que não tenha a sua excepção. É maravilhoso e ao mesmo tempo cruel haver tanta boa música à disposição, mesmo muita. E música assim-assim há muita mais, já para não falar da quantidade gargantuana de música merdosa. Durante largos anos, julgo que até hoje, perdeu-se a noção de álbum, lá está, com os rumores francamente exagerados da morte do vinil. Nesse sentido, há muitos “álbuns” de hoje que resolvo com uma música, duas, no máximo. E é nesses casos que realmente considero que não faz sentido comprar um CD e muito menos um vinil. Com um ou dois ficheiros digitais a preço aceitável, resolvo o problema — o único senão é que a esmagadora maioria da música disponível está num formato pior que o CD — AAC 320Kb da Apple ou uma versão de MP3 igualmente com 320Kb (repare-se nos downloads incluídos na compra de muitos vinis).

Eu percebo que no fim do dia, esta é uma escolha meramente pessoal de acordo com os gostos e possibilidades de cada um e que valerá muito pouco a pena discutir. Só não deitem já fora os CDs. Se os ouvirem numa boa aparelhagem, vão reparar que é uma colecção praticamente nova. Já me aconteceu isso, não uma vez, mas várias. E melhora sempre.

Discos Pelo Chão

Publicado em 12/03/2021

Alguns dos últimos discos que comprei na Tubitek. Ainda não tive tempo para ouvir mais do que uma vez, pareceram-me todos muito bons.

Ólafur Arnalds e Nils Frahm Trance Frendz (e atrás está Stare, também deles), gostei mas esperava um bocadinho mais, normalmente é apenas sinal de que não ouvi no dia certo.

Cornelius é um músico japonês que anda por todo o lado, não tem género musical definido, é electrónica sem o ser realmente. Não tinha nada em vinil, apenas CD, Mellow Waves parece-me o melhor disco que tenho dele.

Jason Molina… que dizer? Let Me Go é o disco mais triste que ouvi nos últimos anos, muito bom e com boa edição também. Ainda não tive coragem de voltar a ouvir, não me pareceu disco que me faça sentir bem quando me sinto mal.

Distractions é o último dos Tinderstics, e de certeza que irá para o secção de “grande discos”.

Por fim Kraftwerk Tour de France (atrás está Autobhan) é uma edição brutalmente boa, definitiva mesmo. Não há nada a dizer, estas reedições deixam as anteriores que eu tenho — este apenas em CD — a léguas. São discos obrigatórios para quem gostar de música electrónica, em particular de tudo o que foi a futurologia Kraftwerk. Os cinco restantes chegarão da Alemanha porque prefiro as versões alemãs, estes dois são idênticos na edição alemã ou internacional.

Na dúvida

Publicado em 10/02/2021

Taylor Swift Folklore

Folklore.

No meio desta cacofonia pandémica, na dúvida, penso na Taylor Swift. Em vez de ter ficado em casa a olhar para o tecto e a ver filmes de qualidade duvidosa, resolveu compor e editar dois álbuns em poucos meses — Folklore e Evermore —, com excelentes colaborações (Bon Iver, The National…) e nada maus.

Pro-ject VC-S2 Alu

Publicado em 10/01/2021

Não há nada que me dê gosto ter nesta máquina de limpar vinil. Em bom rigor, não é coisa para se ter à vista se existir o mínimo gosto estético. Como design é um caixote enorme, sem qualquer explicação para o seu tamanho que não seja um depósito que é tão grande que dispensa ser esvaziado, a menos que se limpem centenas e centenas de discos seguidos. Não é de alumínio, mas sim folheada a alumínio (daí o nome), as peças de metal de má qualidade e as de plástico como a escova, nem se fala. Moldes fracos, plástico fraco. Os interruptores, nem se entendem de tão grandes, abrutalhados e má qualidade. Custa cerca de 500,00€ o que notoriamente não vale, mas é um fenómeno transversal em praticamente tudo o que é Hi-Fi. Querendo uma de maior qualidade como a Clearaudio Smart Matrix Silent, paga-se três vezes mais, o que, como facilmente se adivinha, também não vale. E já que mencionei a palavra “silent”, silenciosa é que esta máquina não é. A função de aspiração faz lembrar o antigo aspirador Hoover “bate escova aspira”, é incompreensível. Um Dyson é que não é. A máquina é tão fraca que não se vê o logotipo Pro-ject em lado nenhum, uma má coincidência, certamente. A única indicação que não é um aparelho de marca branca vindo directamente da China, é uma etiqueta por baixo — sem desprimor, porque há na China material muito melhor que este, a todos os níveis. E mesmo assim, a versão menor, a VC-E, ganhou um prémio EISA 2020-2021. Se calhar o defeito é meu, o melhor é cada um ver por si.

Dito isto, esta máquina tem um predicado inegável: funciona surpreendentemente bem. Ainda só utilizei o líquido Pro-ject Wash It e os discos ficam bem limpos, sem pó, sem bolor, sem marcas, tocam melhor e mais silenciosamente. Consequentemente, uma má prensagem, toca pior como se os pops e plops ficassem com mais fidelidade. O efeito anti-estático da lavagem é duradouro, tenho discos lavados há mais de três meses que não apresentam qualquer sinal de estática. Agora todos os discos novos passam pela máquina antes de tocar a primeira vez e os antigos, vou lavando. Há apenas um defeito que é um resíduo branco que fica depositado na agulha na primeira passagem. Tudo somado, apesar de não ser um objecto que me encante, tem funcionado, cumpre a função, suponho que seja suficiente.

Actualização: O resíduo deixou de existir com o líquido Wash It comprado posteriormente. Esse efeito aconteceu com o que acompanhava a máquina.