Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos etiquetados “dr. feickert

Tellurium Q Ultra Black II

Publicado em 01/08/2020

A festa ia ser uma e acabou por ser outra. De afinações finais no gira-discos e pré-amplificador de phono de um amigo, acabou por ser teste de cabos. E sou um céptico dos cabos e da quantidade absurda de dinheiro que alguns custam.
Os pré-existentes eram uns Kimber 8TC com 20 anos. Substituídos pelos Tellurium Q Black II de metade do preço, a diferença tem contornos de escândalo. Só ouvido, mas é como se fosse outra aparelhagem.

Tellurium Q

Tellurium Q Ultra Black II.

Ligados os Tellurium Q Ultra Black II a custar o dobro dos Kimber (ou seja o quádruplo dos Black II) e o som deu outro salto inacreditável. Mais presença, mais palco, mais definição, mais recorte, mais extensão de agudos e menos sibilância, mais controlo de graves. É outra aparelhagem e relativamente aos Kimber, nem vale a pena dizer nada porque seria desgraçar uma marca prestigiada e há a desculpa de serem cabos com 20 anos — não por essa razão, mas porque os 8TC de hoje serão diferentes. Moral da história: no áudio, só ouvindo se podem tomar boas decisões relativamente ao equipamento e acessórios. Há muito de subjectivo, cada um ouve com os seus ouvidos, mas o que se passou com os Tellurium Q, não tem nada de subjectivo.
Vou testar os Tellurium Q Black II em substituição de uns Kimber Monocle XL, talvez dez vezes mais caros. Espero não ter mais uma desilusão para a vida inteira. PS: Não tive, o som dos Kimber nem se pode comparar, aplica-se tudo o que disse acima para os Tellurium Q Ultra Black II.

Dr. Feickert Volare

Dr. Feickert Volare.

Gira-discos Dr. Feickert Volare

Publicado em 29/06/2020

Dr. Feickert Volare

Audição de um gira-discos Dr. Feickert Volare com braço Jelco — empresa com 100 anos, encerrada recentemente como consequência da Covid-19 —, e agulha Audio Technica OC9 com alguns anos. Foram utilizados dois pré-amplificadores phono, primeiro um Sonneteer Sedley com quase 20 anos e depois, um Elac PPA2 novo. A diferença que faz um pré-amplificador… ligar o Elac é como abrir a janela e deixar entrar ar para o som circular por ali. É uma diferença enorme. Mas não consta que o Sonneteer Sedley seja má máquina e antes do Elac estava a tocar bem… mas depois da janela abrir, não voltou a fechar. Foi na Ultimate Audio.


A música por ordem:

  • Terry Callier, What Color Love Is, 1973
  • Cassandra Wilson, Traveling Miles, 1999
  • John Coltrane, A Love Supreme, 1965
  • Minoru Muraoka, Bamboo, 1970
  • Cowboys Junkies, Trinity Sessions, 1988
  • Trentemøller, The Last Resort, 2006 (edição 2018)
  • Jarvis Cocker, Chilly Gonzales, Room 29, 2017
  • Marlon Williams, Make Way for Love, 2018
  • Benjamim Clementine, At Least For Now, 2014