Hoje em dia já ninguém lá vai, aquilo está cheio de gente

Artigos etiquetados “kimber

Kimber Monocle XL Vs. CrystalSpeak Piccolo Diamond

Publicado em 29/07/2022

Crystal Cable

A diferença entre estes dois cabos é quase anedótica, uma espécie de yin e yang dos cabos de coluna. A Ultimate Audio emprestou-me os Crystal Cable para testar.
Surpreendentemente, no meu sistema, pareceram-me exactamente iguais. Talvez um nadinha mais de detalhe para o Kimber e é tudo, mas ainda vou ouvir mais vezes.
E ouvi, não é menos um nadinha de detalhe, é de recorte. De alguma forma não acho os intérpretes e músicos tão bem localizados no palco, algo mudou. E depois de alguma consideração, já sei o que é, os cabos Crystal trouxeram o palco mais para a frente o que o tornou mais profundo — e eu não me queixava minimamente de profundidade. Mas é à custa de algum recorte e localização no espaço.
A minha conclusão é que os Crystal Cable com os seus 1,8mm, não ficam atrás dos 28,6mm dos Kimber, mas o som que resulta apesar de muito parecido, tem diferenças o que não sendo melhor ou pior, são uma questão de preferência.

Links de interesse

Ultimate Audio
Kimber Monocle XL
Crystal Cable Picollo Diamond

Cabo de Coluna Esprit Eterna

Publicado em 30/04/2022

Por vários motivos ainda não foi possível testar o cabo TAC que quero instalar no Technics SL-1000R, mas tive a oportunidade de experimentar cabos de coluna Esprit Eterna (G8, sendo os mais recentes G9).
Num sistema revelador, os cabos são cruciais — infelizmente, porque o custo é completamente desmesurado. Mas já avancei há muito o “não há diferenças” ou para as colunas serve fio de campainha… E serve mesmo bem, para colunas que custem tanto como a campainha, ou um pouco menos. As minhas custam um pouco mais e até agora não demonstraram ter qualquer limite. Tudo o que melhorei a montante, reflectiu-se no som imediatamente e de forma inequívoca.
Ouvi Sarah Jaroz, Build Me Up From Bones e Ali Farka Touré com Ry Cooder, Talking Timbuktu com os cabos Kimber Monocle XL. Depois mudei para os Esprit Eterna, passados dez segundos de Sarah Jaroz deu logo para perceber que os graves estavam completamente diferentes, desapareceram os últimos sinais de demasia que ainda por aqui restavam. Fiquei bastante satisfeito. Mas no decorrer da música, cedo também se tornou evidente que tudo o resto também se alterou — só um surdo é que poderia dizer neste caso que os cabos (sensivelmente do mesmo valor) não fazem diferença. Quando mudei de disco, já não me parecia que tinha trocado os cabos, na melhor das hipóteses teria ficado com os cabos antigos e trocado o equipamento todo. O som é mesmo muito diferente e para pior. Brilhante, agudos por todo o lado, cansativo e os graves perderam muita da pujança. Mas deu para perceber o radical que pode ser mudar os cabos das colunas, ou seja, se tiver oportunidade, tempo, paciência e cuidado, posso afinar o som que quero. Não é fácil, porque há por aqui muitos mais cabos e factores, e todos interferem uns com os outros.
Bem, mas já que aqui estão os Esprit e os amplificadores e as colunas têm terminais para bi-wire, esperimentei. Primeiro, com os Esprit nos agudos e os Kimber nos graves, achei melhor, mas continuou um som demasiado brilhante, sem o calor a que estava habituado. Passei os Esprit para os graves e os Kimber para os agudos e ficou bastante mais equilibrado e é como está neste momento. O bi-wire é outra variável… Por exemplo, estabelecendo um valor, soa melhor um cabo por cada coluna, ou dois? Nem todas as marcas e audiófilos são adeptos do bi-wire. Só ouvindo. Neste caso, para já, acho que melhorou bastante, mas ainda não gosto totalmente e além disso, não manteve o valor, ao adicionar os Esprit, na prática dupliquei o custo.
Entretanto, como este trabalho nunca está pronto, vou testar cabos XLR Esprit Eurêka e Gaïa (ambos G8), que são praticamente o alto de gama da marca. Mais variáveis, mas que podemos fazer?

A Tocar

Publicado em 19/12/2021

Já tinha escrito que tem sido um objectivo, ter o melhor som possível e divertir-me, pasmar-me, alegrar-me, entristecer-me e emocionar-me a ouvir música. E tenho conseguido. Acho que vou actualizar este texto no fim de cada ano se existir algo de novo.
A grande alteração aqui são os monoblocos T+A M 40 HV, duas peças com um design industrial incrível e um som a condizer. São uma edição de 40º. aniversário da T+A, que diz “One thing we have learned in our forty-year history is that the world of electro-acoustics does not permit a single perfect solution to all requirements; instead every overall design philosophy offers its own strengths and weaknesses.” — uma grande verdade que, por vezes à minha custa, já aprendi. O andar de entrada destes monoblocos é a válvulas, um som que cada vez gosto mais. Sinto falta dos vuímetros do T+A A 3000 HV e PS 3000 HV, mas paciência, nunca se pode ter tudo.
Como no texto anterior referi American III: Solitary Man de Johnny Cash, resolvi colocá-lo a rodar outra vez e claro, quando se pensa que já se atingiu o limite, os discos pretos ainda dão mais. E continuam a dar. É uma qualidade impossível.
No próximo ano vou-me dedicar aos cabos, incluindo talvez passar as colunas para bi-cablagem. Quero substituir todos os cabos de corrente Oyaide que não gosto por serem tão rígidos que não têm flexibilidade nenhuma. Não espero grande coisa em relação ao som, mas tudo conta! Vou apostar na Esprit — “l’emotion française” —, do que já experimentei e tenho, gosto muito, qualidade irrepreensível.
E o principal objectivo é um leitor de CD, que pode ser o multiformato T+A MP 3100 HV ou outro do mesmo calibre, não faço questão que seja T+A, faço questão que toque o melhor possível — pode ser Soul Note ou Luxman, ou outro. Se calhar gostava era do T+A SDV 3100 HV que substituiria o T+A P 3000 HV e resolveria tudo o que fosse digital. Teria depois de juntar o transporte T+A PDT 3100 HV, um caso a pensar.

A tocar actualmente:

  • Gira-discos Technics SL-1000R
  • Shell DS Audio HS-001
  • Célula DS Audio DS 003
  • Turntable-sheet BR-12 Oyaide
  • Pré-amplificador Phono Soulnote E-2
  • Cabo XLR Chord Reference
  • Pré-amplificador T+A P 3000 HV
  • Cabo XLR Esprit Audio Eterna
  • Amplificador Mono T+A M 40 HV (x2)
  • Cabo de coluna Kimber Monocle XL
  • Colunas Raidho TD 3.8

+

  • Regenerador de corrente Torus Power RM 16 CE
  • Cabos de corrente Oyaide e T+A (vários)
  • Máquina de limpar vinil Pro-ject VC-S2 Alu
  • Clamp Pro-ject ‘Record Puck’

A Tocar

Publicado em 22/10/2021

Tem sido um objectivo, ter o melhor som possível e divertir-me, pasmar-me, alegrar-me, entristecer-me, emocionar-me, a ouvir. E tenho conseguido. O último salto foi impossível de tão bom ao adicionar o Technics SL-1000R que para mim é uma referência absoluta em gira-discos independentemente do preço, ao que se juntou a célula DS 003 da DS Audio que na minha opinião acima só tem a Grand Master (por uns 12.000,00€) que também independentemente do preço, não tem paralelo em nenhuma outra célula de nenhuma outra marca, pela simples razão de ter uma tecnologia que pura e simplesmente desintegra completamente as bobines MM e MC utilizadas até agora. Como senão bastasse, adicionei o pré-amplificador/descodificador Soulnote E-2 que por sua vez obliterou completamente o da DS Audio dedicado à DS 003, foi uma completa surpresa, apesar de mais alguns milhares de euros acima, estas coisas raramente são melhores e mais baratas.
Hoje foi noite de mais umas afinações no Technics SL-1000-R e DS 003. Se nas colunas que tenho todos os centímetros contam, no gira-discos todas as décimas de milímetro e de grama contam. Um cabelo para a direita ou esquerda torna-se numa diferença notória. E se já tocava bem, agora toca super-bem. Ainda mais detalhe, mais micro-sons, ainda mais clareza, mais cristalino, ainda mais precisão.
Estou a ouvir pela primeira vez no sistema os discos de Johnny Cash American Recordings e a única descrição que me ocorre é fantasmagórico. A qualidade de gravação é fora das tabelas e o nível de detalhe que a DS 003 vai desencantar no fundo dos sulcos é inacreditável. O disco American III: Solitary Man, talvez o que mais gosto, coloca o Johnny Cash inequivocamente na minha sala, a cantar para mim, guitarra na mão, quase que lhe consigo adivinhar a idade pela profundidade da voz. É extraordinário.

A tocar actualmente:

  • Technics SL-1000R
  • DS Audio HS-001
  • DS Audio DS 003
  • Soulnote E-2
  • Cabo XLR Chord Reference
  • T+A P 3000 HV
  • Cabo XLR Esprit Audio Eterna
  • T+A A 3000 HV
  • T+A PS 3000 HV
  • Cabo de coluna Kimber Monocle XL
  • Raidho TD 3.8
  • +
  • Torus Power RM 16 CE
  • Cabos de corrente Oyaide e T+A (vários)

Tellurium Q Ultra Black II

Publicado em 01/08/2020

A festa ia ser uma e acabou por ser outra. De afinações finais no gira-discos e pré-amplificador de phono de um amigo, acabou por ser teste de cabos. E sou um céptico dos cabos e da quantidade absurda de dinheiro que alguns custam.
Os pré-existentes eram uns Kimber 8TC com 20 anos. Substituídos pelos Tellurium Q Black II de metade do preço, a diferença tem contornos de escândalo. Só ouvido, mas é como se fosse outra aparelhagem.

Ligados os Tellurium Q Ultra Black II a custar o dobro dos Kimber (ou seja o quádruplo dos Black II) e o som deu outro salto inacreditável. Mais presença, mais palco, mais definição, mais recorte, mais extensão de agudos e menos sibilância, mais controlo de graves. É outra aparelhagem e relativamente aos Kimber, nem vale a pena dizer nada porque seria desgraçar uma marca prestigiada e há a desculpa de serem cabos com 20 anos — não por essa razão, mas porque os 8TC de hoje serão diferentes. Moral da história: no áudio, só ouvindo se podem tomar boas decisões relativamente ao equipamento e acessórios. Há muito de subjectivo, cada um ouve com os seus ouvidos, mas o que se passou com os Tellurium Q, não tem nada de subjectivo.
Vou testar os Tellurium Q Black II em substituição de uns Kimber Monocle XL, talvez dez vezes mais caros. Espero não ter mais uma desilusão para a vida inteira. PS: Não tive, o som dos Kimber nem se pode comparar, aplica-se tudo o que disse acima para os Tellurium Q Ultra Black II.

Dr. Feickert Volare

Dr. Feickert Volare.